terça-feira, 4 de julho de 2017

Município celebra protocolo com Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género

O Município de Braga celebrou um protocolo de cooperação com a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género que, entre outras acções, vai permitir a formação dos técnicos municipais, nomeadamente os que exercem funções no Gabinete de Informação e Acolhimento para a Igualdade (GIAPI), para que estes possam da uma resposta adequada às vítimas de violência doméstica em fase avançada de inclusão social. Com este protocolo, a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género passa, igualmente, a ser parte integrante da Rede Social do Município e irá colaborar de forma activa na elaboração do Plano Municipal para a Igualdade.
“Este é o resultado de um longo caminho. Desde o início do mandato que o actual Executivo se mostra comprometido com esta temática e a incorporar as questões da Igualdade de Género em todas as áreas da gestão municipal, implementando políticas que promovam esses conceitos e essas prioridades”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante a assinatura do protocolo que decorreu esta Segunda-feira, 3 de Julho, nas instalações do GIAPI, localizadas em S. Victor.
Braga ganha, assim, mais um aliado na promoção de políticas públicas que defendam uma efectiva igualdade de género. Segundo Ricardo Rio, estas são “matérias fundamentais que não podem ser colocadas em segundo plano”, sugerindo o Edil que as diversas instituições que operam no terreno passem a “trabalhar de forma preventiva no sentido de criar uma cultura transversal na sociedade portuguesa que evite qualquer tipo de discriminação”.
Já Manuel Albano, director da delegação do Norte da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, enalteceu a abertura e o trabalho desenvolvido pelo Município de Braga nesta área e lembrou que este é mais um passo no sentido de ´encurtar distâncias e dar respostas concretas às vítimas de qualquer tipo de discriminação´.
“Este protocolo é o corolário de um trabalho longo mas estratificado. É um trabalho consolidado e queremos que Braga se constitua como uma verdadeira rede de trabalho nesta matéria ao englobar todas as instituições que operam no terreno para desenvolver o seu próprio modelo de intervenção”, referiu Manuel Albano, explicando que o objectivo deste protocolo é, acima de tudo, “recapacitar, dar uma nova vida e reintegrar as vítimas”, garantindo, dessa forma, o seu princípio de autonomia na sociedade.
Recorde-se que Braga conta com um Centro de Acolhimento para receber vítimas de violência doméstica oriundas de todo o país. O Gabinete de Informação e Acolhimento para a Igualdade (GIAPI), presta todo o apoio a vítimas que se encontrem na fase final de integração social, constituindo-se como uma resposta à reintegração social e profissional das vítimas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.