segunda-feira, 5 de junho de 2017

Município de Esposende debateu desafios da Educação

Sob o lema “Desenhar o Presente, Projetar o Futuro”, o Município de Esposende levou a cabo, entre os dias 26 de maio e 3 de junho, mais uma edição do Fórum da Educação.
A marcar a abertura, realizou-se o painel “O Perfil do Aluno para o Séc. XXI – reflexões e desafios”, sob a moderação do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Esposende, António Maranhão Peixoto.
Jorge Manuel Ascenção, Presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, falou sobre o crescimento do movimento das associações de pais e a sua progressiva participação na vida das escolas. Sobre o documento “Perfil dos Alunos para o Séc. XXI - Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória”, referiu que o mesmo aponta para uma série de alterações, desde conteúdos curriculares, mas também uma série de competências que os estudantes devem ter quando terminam o ensino obrigatório, nomeadamente, competências de linguagens, de comunicação, de raciocínio, de pensamento crítico, entre outras. O orador destacou o seu contributo para a promoção da equidade de oportunidades e para o desenvolvimento de competências numa perspetiva alargada, que deverá permitir que a escola vá de encontro aos gostos de cada aluno e os motive. José Eduardo Lemos, Presidente do Conselho das Escolas, conduziu a reflexão para a forma como a Escola se vai organizar para implementar as medidas inerentes ao novo perfil do aluno, ou seja, sobre quais as transformações a operar e que recursos a mobilizar, articulando estas questões com os requisitos de acesso ao ensino superior. Salientou a importância do documento para a sistematização e clarificação de princípios, valores e competências que a Escola deve perseguir, preferindo a designação de melhoria ao invés de mudança, para se alcançar a equidade no sistema educativo e a promoção das competências chave que os alunos deverão desenvolver até ao final da escolaridade obrigatória. Maria do Céu Roldão, da Universidade Católica – Centro Regional do Porto, abordou a educação como utopia e a escola como um constructo social, com raízes históricas e sociais. Referiu que a escola educa através do processo de ensino/aprendizagem e que as novas tecnologias são um instrumento de apoio a esse processo de transmissão de conhecimentos, com o objetivo de colaborar para a construção de um cidadão mais completo. Seguiu-se um período de debate muito participado e profícuo.
No parque junto às Piscinas Foz do Cávado decorreu, no dia 28 de maio a Mostra Educativa do concelho de Esposende, com destaque para as diversas oficinas, a cargo dos Agrupamentos de Escolas António Rodrigues Sampaio e António Correia de Oliveira, Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina e Escola Profissional de Esposende, que envolveram a comunidade em torno da divulgação dos projetos e na dinamização das atividades.
No dia 29 de maio, sob a moderação da Vereadora da Educação da Câmara Municipal de Esposende, Jaqueline Areias, realizou-se o painel dedicado à apresentação de projetos pelas escolas. Assim, Sandra Amorim, da Escola Profissional de Esposende, apresentou “A partilha de experiências como fator de aprendizagem”, tendo abordado o percurso da Escola Profissional de Esposende e a oferta formativa alargada que tem proporcionando, contribuindo para a formação de cidadãos responsáveis e profissionais qualificados. Dina Zão e Laura Alves, do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira, apresentaram o Projeto "Ciências Experimentais - Cientistas Turistas", da Educação Pré-escolar, com o envolvimento das crianças e com a exploração de diversas áreas do currículo (ciência, geografia, história, entre outras), que motiva as aprendizagens e desperta a curiosidade e a criatividade dos mais novos. A Diretora do Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio, Paula Cepa, falou sobre “Cultura e Quotidiano de uma Escola Inclusiva”, abordando a forma como se constrói uma escola inclusiva, com o envolvimento de toda a comunidade educativa no projeto educativo integrador e adequado à especificidade de cada aluno. Manuela Ferreira, da Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina, apresentou o projeto “Escrita e Leitura Orientadas para o Sucesso: ELOS - um exemplo de Gestão Curricular Integrada na ESHM”, que se consubstancia como um projeto de escrita e leitura orientada para o sucesso do processo escrita/comunicação, favorecendo a leitura, e descodificação e a interpretação. A escola trabalha para o futuro, na preparação dos alunos, na promoção do seu sucesso pessoal e profissional, numa lógica de transdisciplinaridade e de articulação. O debate foi muito participado e suscitou outras questões de relevo que foram sendo esclarecidas pelos intervenientes.
Numa altura em que se desenham políticas educativas estruturantes, a nível local, regional e nacional, estes momentos promoveram a reflexão em torno de alguns dos projetos e propostas em curso, explorando o seu potencial contributo para uma progressiva melhoria da Educação e da qualidade de vida das comunidades.
No dia 31 de maio realizou-se o Seminário “Centro Qualifica Litoral Cávado, o hub de Intervenção Territorial Local - o RVCC escolar ao profissional: impactos nas atividades económicas sectoriais locais”. Num primeiro painel, João Queirós, investigador do Instituto Politécnico do Porto apresentou as conclusões de um estudo sobre a “Participação em processos de RVCC e reforço da coesão social: notas de uma investigação do noroeste português”, que carateriza a população que procura estes processos e as suas ligações com as questões da mobilidade social e com a promoção da coesão social. A intervenção de Olívia Santos Silva, da Associação Portuguesa de Educação e Formação de Adultos, sobre “As sinergias dos atores em rede no Território” centrou-se sobre a importância do trabalho em rede nestes processos e Jorge Silva, Formador CQ Litoral Cávado, dissertou sobre “O ERASMUS+ e os Centros QUALIFICA”. Tiago Fernandes, Chefe de Cozinha do Hotel Premium Porto apresentou “RVCC Profissional: testemunho de vida”, tendo apresentado o seu percurso escolar e profissional e abordado a importância da aprendizagem ao longo da vida. A moderação do painel esteve a cargo de António Leite, Delegado Regional do Norte do Instituto do Emprego e Formação Profissional. Seguiu-se a mesa redonda sobre “O Papel da Qualificação e os territórios com vocação turística”, sob a moderação de Rui Pereira, Vereador do Turismo, Desporto e Juventude da Câmara Municipal de Esposende, e na qual intervieram Nuno Ferreira, Administrador do Hotel São Félix, José Faria, Presidente da Associação Comercial e Industrial do Concelho de Esposende, e José Gomes Alves, Presidente da Associação Empresarial da Póvoa de Varzim, que refletiram sobre a importância da requalificação profissional para a competitividade do setor do turismo e sobre a sensibilização do setor empresarial para estes processos de educação e formação durante o percurso da vida da população ativa.
O Fórum da Educação 2017 encerrou com chave de ouro, no dia 3 de junho, com a  apresentação do Espetáculo “Quando o Mar é mais”, uma criação coletiva do Projeto AMAReMAR, que contou com a participação do Coro Ars Vocalis e Clube Náutico de Fão.
Fonte:  Serviço de Comunicação e Imagem da CME

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.