quinta-feira, 29 de junho de 2017

Município de Esposende avança com Operações de Reabilitação Urbana em Marinhas, Esposende, Fão e Apúlia

O Município de Esposende vai avançar com as Operações de Reabilitação Urbana (ORU’s) de Marinhas, Esposende, Fão e Apúlia, na sequência da aprovação dos Programas Estratégicos de Reabilitação Urbana (PERU), hoje, em reunião do executivo municipal.
Trata-se das linhas de ação definidas no âmbito do PARU - Plano de Ação para a Reabilitação Urbana e da delimitação das respetivas Áreas de Reabilitação Urbana (ARU’s), plano que prevê um investimento de aproximadamente quatro milhões de euros, sendo que, deste valor, o Município garantiu 3 438.521 euros de financiamento.
Os Programas Estratégicos de Reabilitação Urbana serão agora submetidos a discussão pública, por um período de trinta dias após publicação do anúncio em Diário da República, e serão também remetidos ao IHRU - Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana para emissão de parecer não vinculativo. Findo o período de discussão pública, os PERU’s serão remetidos à Assembleia Municipal de Esposende para aprovação.
O Município definiu as áreas de Esposende, Marinhas, Apúlia e Fão por serem espaços urbanos consolidados, com relevante interesse patrimonial e que apresentam alguns problemas de degradação física dos edifícios, locais que, de resto, têm estado na base de outras medidas de reabilitação urbana, adotadas pela Câmara Municipal.
Componente indispensável ao desenvolvimento socioeconómico e urbano local, o PARU insere-se num plano mais alargado, decorrente do novo regime jurídico da reabilitação urbana que veio estabelecer novas regras às autarquias locais, desde logo, a possibilidade de delimitar e assegurar a promoção das medidas necessárias à reabilitação das áreas urbanas que dela careçam.
Trata-se de um importante instrumento de ordenamento do território face aos desafios ao quadro comunitário “Portugal 2020”, à importância conferida aos centros históricos e frentes ribeirinhas, nomeadamente espaços urbanos e verdes de utilização coletiva, equipamentos, atividades económicas e infraestruturas correspondentes.
As operações urbanísticas devem ter por base a sustentabilidade das intervenções, a manutenção da identidade local e a criatividade nas propostas que visem a revitalização e dinamização de cada uma das áreas.
O Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, nota que “particulares e entidades privadas que queiram fazer obras ficam abrangidos por benefícios fiscais aplicáveis nas operações urbanísticas a desenvolver”, sendo que a estratégia passa também por “incentivar a atividade económica nos setores ligados à reabilitação urbana, contribuindo para a criação/manutenção de emprego”.
“Sendo Esposende um concelho com vocação turística é preocupação do Município garantir uma adequada imagem urbana”, refere Benjamim Pereira, clarificando que, neste sentido, “o Município tem vindo a atuar no sentido de garantir a manutenção e conservação dos edifícios em estado de degradação, em risco de ruína ou que, por questões de salubridade, possam constituir perigo para a saúde pública, tanto nos núcleos urbanos como em todo o concelho”.
Não obstante a legislação determinar a realização de obras de conservação dos edifícios pelo menos uma vez em cada período de oito anos, vão subsistindo situações em que os edifícios atingem um grau de degradação acentuado obrigando a Câmara Municipal a intervir. Assim, com base na avaliação de cada situação mediante a realização de uma vistoria, a Autarquia define o tipo de intervenção a realizar e estipula o prazo de execução das obras de conservação necessárias à melhoria do arranjo estético dos edifícios em caixa, medidas que são sempre sujeitas à aprovação do executivo municipal.
O Município de Esposende realizará uma sessão pública para esclarecimento dos potenciais interessados sobre os Programas Estratégicos de Reabilitação Urbana.
Fonte: Serviço de Comunicação e Imagem da CME

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.