quinta-feira, 8 de junho de 2017

Empreendedores ibéricos reunidos em Esposende

 O Município de Esposende vai avançar com um plano de incentivos para a fixação de empresas, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, na abertura da sétima Conferência Ibérica de Empreendedorismo que decorre em Ofir, até amanhã, sexta feira, dia 9.
O plano será levado a discussão e votação, na próxima reunião do Executivo Municipal, no dia 15. “Estivemos a adequar o plano à realidade do município, porque pretendemos cativar investidores, mas também ajudar os que já estão instalados”, sustentou Benjamim Pereira, apontando a abertura do Centro de Negócios como o local onde será privilegiada a troca de experiências e cooperação laboral.
No que concerne ao apoio a empresas, o autarca destaca a isenção de taxas - em função do investimento e do número de postos de trabalho criados -, e de Derrama como aliciantes para os empresários. “O Município compromete-se, ainda, a agilizar os projetos que são submetidos para aprovação e isentar de IMI, por cinco anos, renováveis por igual período”, acrescentou o presidente da Câmara Municipal de Esposende.
Lembrando que Esposende tem uma vocação turística e ambiental, Benjamim Pereira estabelece prioridades, lembrando que o concelho não tem um perfil industrial vincado. “Queremos empresas de áreas de atividade diversificadas, mas não desafetamos, casuisticamente, a RAN, nem a REN para alargar áreas industriais. Queremos crescer em termos demográficos, captando jovens para viver em Esposende, mas sem agredir os valores que elegemos como primordiais para o concelho”, sustentou Benjamim Pereira.
Tendo como objetivo o reforço das sinergias entre o universo científico e o empresarial com o desígnio de partilhar conhecimento, capacidades e experiências, a conferência Ibérica de Empreendedorismo reuniu especialistas em áreas tão vastas do empreendedorismo como, a social, a cultural, a educação ou microecosistemas empreendedores.
De resto, a partilha de conhecimento e cooperação apresentam-se como o maior desafio das empresas portuguesas. Conforme referiu Henrique Capelas, responsável do Norte 2020, na CCDRN, “estão longe de ficar esgotados os fundos destinados à investigação conjugada com a área empresarial. A inovação só existe se a investigação pura for aplicada na economia e há valor acrescentado”.
Na mesma linha de pensamento, Olímpio Castilho, presidente do Instituto Politécnico do Porto, considera haver “bons exemplos de cooperação entre grandes empresas e universidades. O défice de transferência de conhecimento verifica-se com as pequenas e médias empresas”.
O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, explicou que a autarquia à qual preside “apoia as incubadoras nas próprias empresas, dada a forte realidade industrial do concelho”.
Já o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio focou “o papel que tem sido desenvolvido pela InvestBraga ao nível do empreendedorismo e também o trabalho em parceria com as redes de municípios, quer na Comunidade Intermunicipal, quer no Eixo Atlântico”.
A 7.ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo pretende fomentar a partilha de experiências, a conjugação de esforços e a criação de parcerias entre universidades, empresas e outras organizações, com o objetivo de fortalecer e impulsionar o empreendedorismo transfronteiriço entre Portugal e Espanha.
Fonte - 
Serviço de Comunicação e Imagem da CME

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.